Lufthansa em busca da sustentabilidade

Lufthansa A Lufthansa passou a utilizar bicombustível em vôos regulares. Durante os próximos seis meses, o Airbus A321 da Lufthansa com prefixo D-AIDG estará voando diariamente na rota Hamburgo-Frankfurt-Hamburgo com 50% de uma das turbinas abastecida com querosene biossintético. O uso do bicombustível em motores a jato foi autorizado pela ASTM (American Society for Testing and Materials).

O bioquerosene tem características semelhantes às do querosene normal e, portanto, pode ser utilizado em todos os tipos de avião sem que se façam necessários ajustes no avião ou nas turbinas. O primeiro vôo da fase de testes de seis meses decolou no dia 15 de julho, às 11h15, sob número de vôo LH013 de Hamburgo rumo a Frankfurt. Devido à utilização do bicombustível, as emissões de CO2 serão reduzidas em cerca de 1.500 toneladas neste período.

Lufthansa A Lufthansa é a primeira empresa aérea do mundo a utilizar bicombustível em operações de vôo regulares diárias. Além da redução de CO2, o objetivo principal dos testes práticos de longo prazo é o de analisar os efeitos dos bicombustíveis sobre a manutenção e vida útil de turbinas.

A previsão dos custos totais de realização do projeto para a Lufthansa é de cerca de 6,6 milhões de euros. O projeto conta com mais 2,5 milhões de euros injetados pelo Ministério de Economia e Tecnologia alemão. Ele é parte integrante do projeto global “Fair” (Future Aircraft Research), no qual, além da compatibilidade de bicombustíveis, também são analisados outros assuntos como, por exemplo, novos conceitos de propulsão e de aviões ou outros combustíveis como gás líquido (LNG).

X